15.4.15

Erro na projecção financeira da obra afasta propostas e adia concurso para 2016
MULTIUSOS DE SANTA CRUZ: UM "BUGATTI" DE "2 CAVALOS"
Daniel Martins chamou-lhe "Bugatti" - um dos carros mais velozes do mundo - mas o ritmo de construção do pavilhão multiusos de Santa Cruz da Trapa contraria o cronista da Lafões e assemelha-se cada vez mais ao saudoso "2 cavalos" da Citroën. Os adiamentos da obra têm sido sucessivos e resultam do desfasamento no cálculo dos custos.

O montante financeiro previsto pela Câmara de São Pedro do Sul para a construção do equipamento não corresponde à dimensão do projecto. Como resultado, ou o concurso fica deserto, ou os concorrentes acabam por abandonar a obra, como aconteceu no último "episódio". Perante este cenário, o executivo decidiu adiar o novo concurso para o próximo ano. A solução passará por uma de duas hipóteses: aumentar a previsão financeira ou encolher o volume da obra.


Ainda assim, há quem insista numa outra explicação maldosa. A urgência do executivo na construção desta obra, e que obrigou à contratação de um gabinete externo para a elaboração do projecto, terá sido substituída por outra "urgência": a da inauguração... em 2017!

Mesmo na "mouche"!
Mário Almeida
O COMÉRCIO LOCAL

André Matias
MULTIUSOS DE SCT

13.4.15

Prioridades de São Pedro do Sul nos apoios comunitários
CÂMARA RETOMA CICLOVIA
E ADIA PÓLO DE PINDELO
 
O pólo industrial de Pindelo dos Milagres, apresentado pelo executivo como grande prioridade, no início do mandato, está cada vez mais distante de uma candidatura ao actual quadro comunitário. Ao contrário do que era suposto até há pouco tempo atrás, o projecto ainda não foi iniciado pelos técnicos camarários, nem consta dos objetivos imediatos dos serviços, definidos pela autarquia sampedrense.

Pelo contrário, a intenção de uma candidatura imediata para a construção da ciclovia foi retomada em força, não obstante o desinteresse manifestado pelos restantes concelhos que integram o projecto, nomeadamente Viseu e Oliveira da Frades.  Só Vouzela continua na disposição de avançar,  mas ainda assim já terá manifestado que tem outras prioridades. No entanto, nada impede que São Pedro do Sul avance isoladamente com a obra no seu concelho, ainda que neste caso os custos se tornem  mais elevados.

Uma aposta 100% ecológica, fruto de reflexão acertada de Vítor Figueiredo: é que mais vale uma dezena de rodas a circular... que um cento de chaminés a fumegar!
Daniel Martins
O QUE É, É. O QUE NÃO É, NÃO É!



10.4.15

Fenómeno ou caso de estudo, em São Pedro do Sul
SUBSÍDIO À NATALIDADE...
PROVOCA BAIXA DE NASCIMENTOS
 
Com o objectivo de provocar uma explosão demográfica no concelho, bem necessária para inverter a diminuição populacional, o executivo de São Pedro do Sul anunciou como uma das primeiras medidas a criação de um programa de incentivo à natalidade que designou por "Mais Natalidade". Moral da história: os nascimentos diminuíram quase para metade. 

O incentivo de 50 Euros mensais, por cada nascimento, custou até agora à autarquia cerca de dez mil Euros. Ainda assim, os nascimentos têm vindo a diminuir. Em tempo de crise regista-se a insensibilidade dos casais sampedrenses que desperdiçam deste modo uma verba extra mensal de 50 Euros. A autarquia desconfia mesmo que é por preguiça, já que basta-lhes um gesto tão simples, como seja... fazer um filho.

Comenta-se que o executivo terá mesmo recusado uma medida de choque proposta recentemente pela vereadora responsável pela área. Teresa Sobrinho terá proposto o aumento do subsídio de 50 para 100 Euros mensais por nascimento. Mereceu a recusa dos seus pares, dentro de uma lógica que é muito superior à da "batata":

Se com 50 Euros de incentivo mensal, o número de nascimentos diminuiu para quase metade... imagine-se o que seria com 100!
Rui Costa
A ACTIVIDADE COMERCIAL EM SPS

8.4.15

Ainda não foi desta!
MULTIUSOS DE SANTA CRUZ DA TRAPA VOLTA A TRAVAR
 
Anunciado como prioridade pela Câmara de São Pedro do Sul, o pavilhão multiusos de Santa Cruz da Trapa parece continuar "enguiçado" e a obra sofreu novo revés com a anulação do concurso que obrigava ao arranque imediato. Primeiro, foi a suspensão do concurso para reformulação do projecto. Agora, foi a vez da empresa que ganhou o concurso abandonar a obra.

O projecto foi mandado elaborar com urgência pela autarquia a um gabinete externo há mais de um ano, pela necessidade de uma candidatura imediata. No entanto, o processo foi-se arrastando, gorando-se sucessivamente a oportunidade de Vítor Figueiredo se vingar do episódio da inauguração do Centro Cultural de Santa Cruz da Trapa. Sendo essa obra da responsabilidade da Junta de Freguesia, a placa de inauguração foi colocada à altura do seu Presidente e para a descerrar o Presidente da Câmara, de estatura mais reduzida, teve de dar um salto para agarrar a ponta do cordel da bandeira.

A vingança está preparada para a inauguração do pavilhão. Sendo a obra da responsabilidade da Câmara, Vítor Figueiredo já deu instruções para que a placa inaugurativa seja colocada a meio metro do solo. Depois convida o Presidente da Junta para o ajudar a descerrá-la, obrigando-o a agarrar a outra ponta do cordel. Uma forma inteligente de obrigar  Luís Teixeira a "vergar-se".

...Tudo tem seu preço!


Mário Almeida
RUA DIREITA

André Matias
POSTO DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL

6.4.15

Médicos pedem indemnização milionária à Câmara de São Pedro do Sul
CLÍNICOS DESPEDIDOS DAS TERMAS
RECORREM A TRIBUNAL 
Três médicos que prestavam serviço nas Termas de São Pedro do Sul, despedidos há cerca de um ano pela Câmara Municipal, recorreram ao tribunal para exigir da autarquia uma indemnização milionária. Fundamentam o pedido com o facto de terem sido despedidos ilegalmente, sem o cumprimento dos procedimentos legais em vigor. Um deles, Aires Leal, desempenhou as funções de director clínico durante trinta anos.

Os restantes médicos que nessa data trabalhavam nas Termas continuam aí a prestar serviço. São cerca de uma dezena, a maioria dos quais  exerceu as funções na dependência do anterior director clínico ao longo das últimas décadas. É o caso de Borges Martins, que tal como foi na altura anunciado, passou a exercer as funções de  responsável clínico.  Compete-lhe substituir Santos Silva, o director clínico nomeado, que  exerce o cargo em várias Termas do País.

A Câmara Municipal sempre contrapôs estar segura da legalidade do despedimento. Mas caso o tribunal venha a reconhecer aos médicos o direito a serem indemnizados, restará à autarquia decidir sobre duas alternativas de direito de regresso: o da indemnização ou o dos médicos ao serviço.

Nesse caso, regresso por regresso, mais vale...  o regresso atrás!

1.4.15

Obras do Balneário Romano iniciam preparação na próxima semana
TRABALHOS PODERÃO ESTAR CONCLUÍDOS
NO FINAL DO ANO
Mário Almeida
AS CONTAS DA TERMALISTUR E O CONTABILISTA

30.3.15

Presidente da Câmara de Vouzela não quer ver o comboio a passar 
APITÓ COMBOIO...
SÓ SE PARAR EM VOUZELA 
Em tempos idos, o deputado socialista José Junqueiro, numa "troca de galhardetes" com o anterior executivo vouzelense do PSD, apelidou Vouzela como a terra do "apitó comboio". Referia-se, na altura, ao comboio turístico que passeia por aquela vila. Mas Rui Ladeira, actual Presidente, quer ir mais longe e pretende ouvir outro apito: o do comboio de alta velocidade que ligará - quem sabe, se ainda neste século - Aveiro a Vilar Formoso. Mas só o consentirá se tiver (pelo menos) uma  paragem no seu concelho. A única dificuldade é que o comboio é de alta velocidade e, partindo de Aveiro, para poder parar em Vouzela o maquinista só conseguirá ir até à 4.ª velocidade. Se meter a 5.ª, já não travará a tempo. 

Na inauguração em Vouzela do posto de distribuição CTT (de São Pedro do Sul), Ladeira aproveitou a presença do Secretário de Estado dos Transportes, alertando-o para os prejuízos agrícolas que o concelho sofreu até agora com o atravessamento do IP5 e, mais tarde, da A25. Por isso, mais prejuízos para a agricultura vouzelense, sem contrapartidas... jamais! O comboio poderá atravessar o concelho, mas terá de parar obrigatoriamente em Vouzela para servir os passageiros e as mercadorias de toda a região de Lafões . 

Uma atitude altruísta de Rui Ladeira, que permite aos vizinhos de São Pedro do Sul e Oliveira de Frades servirem-se da estação de Vouzela. Só há um pequeno senão. Já se comenta que o Presidente da Câmara de Vouzela terá consultado o Presidente de Lisboa sobre a forma de criar uma taxa turística ferroviária a cobrar aos vizinhos que "aterrem" na estação de Vouzela.

Amigos, amigos... negócios à parte!
Daniel Martins
O PROBLEMA DA RUA DIREITA

28.3.15

26.3.15

Painel de crónicas da Lafões passa a Bloco Central + 1
SAI BANDEIRA PINHO
ENTRA MÁRIO ALMEIDA
 
A saída de Bandeira Pinho do programa de comentário político transmitido diariamente na Rádio Lafões marca o fim da presença da crónica independente, melhor dito, de um independente nas crónicas. Pelo menos em termos de filiação partidária.

O programa fica agora entregue a cinco filiados: dois do PS (Daniel Martins e André Matias), dois do PSD (Ester Vargas e Mário Almeida) e um do BE  (Rui Costa). Uma espécie de Bloco Central+1, sendo que também este último é bloquista... mas de "esquerda". Mário Almeida, a nova aquisição da Lafões, foi líder parlamentar do PSD na Assembleia Municipal de São Pedro do Sul. No tempo do anterior executivo.

Mas, para lá da qualidade de filiados, todos eles comungam de uma outra característica ou pecado: têm tanto de filiados como de alheados em relação ás respectivas estruturas locais partidárias. Uns mais do que outros. Seja por contas do passado, seja por ambições de futuro.
 
Menos consensual será o posicionamento do painel em relação à maioria na Câmara Municipal. Por questões de estratégica imediata, adivinha-se um (des)alinhamento 5-1...
 
...até mais ver!

Ester Vargas
MEDIDA COMÉRCIO INVESTE

André Matias
DESPORTO

23.3.15

Reunião pública do executivo sampedrense realiza-se amanhã. A primeira após o duelo Vítor Figueiredo/Rogério Duarte, que levou ao abandono do Vereador
VÍDEO INÉDITO COM NOVOS PORMENORES 
DA CÉLEBRE REUNIÃO

20.3.15

Polémica dos lucros ou prejuízos da Termalistur chega ao fim
RUI COSTA DESCOBRE "O GATO"
A discussão sobre os lucros ou prejuízos da Termalistur estava já a agitar os meios académicos e financeiros e resultava da apresentação em PowerPoint das contas de 2014 feita pela administração da Termalistur. No documento apresentado, 2014 registava o maior lucro de sempre. Para realçar ainda mais o facto, foram "repescadas" as contas de 2013 registando o maior prejuízo de sempre. Curiosamente, aparecia no documento referente a 2013 o pagamento de IRC por parte da empresa. Um imposto sobre os lucros, que só é suposto acontecer quando se verificam... lucros!

Das várias teorias que se geraram houve mesmo quem concluísse que a Termalistur havia descoberto a fórmula exacta de o Governo aumentar a receita fiscal, baixando as taxas: em vez de tributar os lucros passar a tributar os prejuízos. Na actual situação financeira das empresas, a subida das receitas seria em flecha!
 
Afinal... havia outra! Na crónica de hoje, na Lafões, Rui Costa descobre "o gato". Segundo o cronista, o segredo da apresentação dos lucros de 2014 e dos prejuízos de 2013 é simples. Ás contas de 2013 foram retirados os subsídios à exploração e comparadas com as de 2014, que incluíam os subsídios à exploração. E assim do lucro se fez prejuízo e do prejuízo lucro, conforme a conveniência, mantendo as contas correctas.

 Mais fácil... que saltar à corda!